A história por trás da capa de "Nevermind", do Nirvana



Quando foi lançado, em 24 de Setembro de 1991, o álbum Nevermind, no Nirvana, revolucionou o universo da música, colocando o rock alternativo no mainstream e transformando a banda em um grande sucesso quase do dia pra noite. O disco vendeu mais de 30 milhões de cópias e é considerado um dos grandes álbuns de todos os tempos.


Parte do sucesso de Nevermind está também no trabalho do designer que garantiu ao disco uma capa igualmente marcante: Robert Fisher. À época do lançamento, tanto Fisher quanto o Nirvana eram praticamente desconhecidos, e ninguém poderia imaginar quão icônico se tornaria o álbum (e a capa). O designer conta sobre sua criação:


"Eu trabalhava na Geffen (selo que lançou o disco) e fiquei animado quando soube que eles iam assinar com o Nirvana, então perguntei se poderia trabalhar no projeto. Ninguém fazia ideia de que seria tão grande, mas assim que ouvi as primeiras gravações, já fiquei impressionado."


Quando se reuniu com a banda, Fisher descobriu que Kurt Cobain já tinha uma ideia para a capa:


Foto: Caroline Devulder

"Kurt queria um bebê nascendo na água. Nessa época não tínhamos internet, então para encontrar uma foto dessas você tinha que ir até uma livraria e procurar em livros sobre parto. E foi isso que fiz. Mas foi tipo... sem chance de fazermos uma capa de disco assim! Não consegui achar uma foto realmente boa e todas eram muito fortes para serem usadas."


Depois de descartar a ideia do bebê nascendo, Fisher começou a explorar as opções apenas com bebês embaixo d'água. Mas ele entendeu que a imagem precisaria de algo mais.


"Nós pensamos 'Ok, temos que ter mais que só um bebê embaixo d'água'. Então Kurt sugeriu adicionarmos um anzol para dar um clima ameaçador. Passamos a tarde pensando em inúmeras coisas engraçadas que poderíamos colocar no anzol. Uma ideia foi um pedaço de carne, tipo um bife bem grande. Outra foi um CD ou algo que simbolizasse música. Nós fomos almoçar e começamos a brincar: 'Que tal um burrito?' 'Olha, um cahorro! Que tal um cachorro?'... continuou por horas. Não me lembro quem sugeriu a nota de dólar, mas todos acharam a ideia muito boa, e foi o que acabou entrando na capa. A verdade é que Kurt não tinha um grande plano ou mensagem que queria passar com a capa; tudo acabou acontecendo de forma muito natural."


Agora que tinha um conceito, Fisher precisava encontrar um fotógrafo. Ele logo achou o profissional perfeito: Kirk Weddle.


Ensaio submerso com Kirk e Nirvana. À esquerda: dretor de arte Robert Fisher. Foto: Rolling Stone.

"Existiam uns catálogos chamados 'work-books' -- grandes portfólios onde fotógrafos pagavam para terem um anúncio de uma ou duas páginas. Esses livros eram enviados para agências e criativos, que então chamavam os fotógrafos para os trabalhos. Foi num desses que encontrei esse cara que tinha como uma de umas especialidades 'fotos de humanos submersos'. Pensei 'Esse é nosso cara!'. Era Kirk Weddle."



Pais passando o bebê de 4 meses Spencer Elden por baixo da água. Foto: Kirk Weddle.

"Contratamos Kirk para fotografar no Centro Aquático de Pasadena. Tivemos quatro ou cinco diferentes pais entrando na água e passando os bebês de um para o outro em frente à câmera. Se você olhar bem de perto na imagem final, conseguguirá ver a marca da mão do pai no peito do bebê, bem onde ele estava segurando a criança antes de passá-la."


Provas do ensaio aquático. A equipe usou primeiro uma boneca (primeira foto) para testes.

"Uma semana depois, recebi algumas provas das fotos, umas 40 ou 50 imagens. Havia uma que estava absolutamente perfeita. O enquadramento, o olhar do bebê, o modo como seus braços se esticavam como se quisesse alcançar algo -- tudo nela era perfeito. Foi essa que escolhi."


A foto com as marcações do que seria editado.

"Naqueles tempos, antes dos computadores, o que tínhamos eram caras sentados em câmaras escuras recebendo muito para fazer o que hoje fazemos no Photoshop. Nós escaneávamos a foto e então marcávamos à caneta o que queríamos de alteração, por exemplo: 'inclua uma nota de dólar aqui', ou 'coloque umas bolhas aqui, tire o fundo da piscina'. Então você enviava esse documento e em aproximadamente 5 dias recebia de volta alterado. Você abria o envelope e ficava tipo 'Ohhhhh!'"


Com a foto pronta, era hora de adicionar os outros elementos da capa.


"Eu queria que a palavra Nevermind parecesse submersa também, ondulada. Então imprimi o texto e coloquei a folha em uma máquina Xerox. Enquanto a máquina escaneava, eu mexia a folha, o que resultou num efeito ondulado. Repeti o processo, dessa vez mexendo a folha no sentido contrário. Foi assim que consegui a tipografia ondulada."


Acrescentando o título e o logo já existente da banda, a versão final da capa estava completa.


"Lembro da primeira vez que vi a arte completa, com textos e tudo o mais... estava perfeita. Fiquei muito satisfeito com o resultado. Quando mostrei a capa final pela primeira vez para a banda e agentes, eles adoraram e não pediram nenhuma mudança."


Artigo original aqui.

14 visualizações

Copyright©2017 - Music House Centro Musical  |  (15) 3232-4445 - Sorocaba/SP  |  Desenvolvido por Oddy_ Branding